O ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, considerou hoje que o Governo tomará «no momento próprio» a decisão sobre «a melhor forma de regresso pleno aos mercados» e de conclusão do programa de assistência económico-financeira.

«O Governo tem tido, sempre, uma mensagem muito clara a esse respeito. No momento próprio, Portugal tomará uma decisão sobre qual é a melhor forma de regresso pleno aos mercados e de conclusão do programa de assistência económico-financeira. E o momento próprio ainda não é agora», declarou Poiares Maduro aos jornalistas, na Guarda, à margem de uma reunião com autarcas e dirigentes de instituições de Ensino Superior do interior do país.

Para o governante, «não vale a pena» o país estar a antecipar uma decisão, «quando os dados todos para tomarmos essa decisão só serão conhecidos mais tarde».

Poiares Maduro referiu que «qualquer antecipação de uma decisão neste momento seria errado e o Governo não o vai fazer».

Confrontado com a posição do Presidente da República, que aponta o relançamento da economia como uma das questões prioritárias do pós-troika, declarou que «todas as posições, todas as informações serão coligidas, serão conhecidas, serão ponderadas por parte do Governo, para tomar a decisão adequada no momento próprio».

O ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional apontou que «há poucos meses havia muita gente em Portugal que dizia» que o país teria «um segundo resgate».

«Neste momento, o que o país discute já, é qual será a forma de saída do programa de assistência económico-financeira, qual será a melhor forma do nosso ponto de vista enquanto país e isso é que eu acho que é muito importante nós termos em conta», concluiu.