Portugal deve optar por um programa cautelar após o programa de assistência financeira internacional, defendeu esta quinta-feira José Poças Esteves, presidente executivo da agência global de rating ARC Ratings.

«Os políticos preferem uma solução tipo Irlanda, os mercados financeiros preferem uma solução mais protegida para ir para os mercados - Portugal precisa de alguma proteção para ir para os mercados», afirmou José Poças Esteves hoje à agência Lusa, em Londres, à margem do lançamento da ARC Ratings.

O presidente da antiga Companhia Portuguesa de Rating (CPR), incorporada na Saer (Sociedade de Avaliação Estratégica e Risco) que deu lugar à ARC Ratings, recorda ter acompanhado o mesmo debate na Irlanda, antes de Dublin recusar uma linha de crédito cautelar.

Poças Esteves coloca-se do lado dos financeiros, que dizem: «calma, é muito importante não desestabilizarmos a credibilidade junto dos mercados, termos um quadro de apoio bem definido, para continuar neste processo de estabilização e de redução de taxas de juro».