A atividade na zona euro acelerou em dezembro, indicando a inversão da tendência dos dois últimos meses, anunciou esta segunda-feira a empresa de serviços de informação financeira Markit.

O PMI (Purchasing Managers Index) composto da zona euro atingiu 52,1 pontos em dezembro, o valor mais alto dos últimos três meses e acima dos 50 pontos pelo sexto mês consecutivo, segundo uma primeira estimativa publicada hoje pela Markit.

O PMI foi de 51,7 em novembro.

Um índice PMI inferior a 50 pontos significa contração, enquanto um superior indica expansão da atividade.

O setor industrial liderou a recuperação, já que a produção deste aumentou pelo sexto mês consecutivo, bem como as novas encomendas impulsionadas pelo aumento das exportações.

No setor dos serviços a atividade também aumentou em dezembro, se bem que a um ritmo inferior ao registado nos meses precedentes, mas o aumento dos pedidos continuou a ser modesto porque a procura nos mercados domésticos da zona euro ainda é fraca.

A Alemanha continuou a registar a maior expansão desde o primeiro semestre de 2012, enquanto em França a atividade recuou pelo segundo mês consecutivo.

No resto da região a atividade cresceu pelo quinto mês consecutivo e a um ritmo mais marcado desde abril de 2011.

Apesar do crescimento da atividade, o emprego da zona euro diminuiu pelo 24.º mês consecutivo, ainda que tenha registado o menor decréscimo dos últimos dois anos.

O economista chefe da Markit, Chris Williamson, sublinha no comunicado que o indicador PMI dá sinais de que a economia está a recuperar, apesar da recuperação continuar «débil e frágil».

Williamson também sublinha que a recuperação é desigual, já que se concentra no setor industrial, mas considera «mais alarmante» a desigualdade geográfica, tendo em conta que França parece estar a ficar para trás.