O ministro da Economia adiantou hoje que a partir da próxima semana vai estar operacional a linha de crédito de 500 milhões de euros para reforçar a tesouraria das empresas portuguesas com processo de internacionalização em Angola.

Pires de Lima falava depois da assinatura do protocolo da linha de crédito para as empresas portuguesas com processos de internacionalização em Angola e que inclui 15 instituições financeiras.

Questionado sobre qual a expectativa de adesão por parte das empresas portuguesas a esta linha de crédito de 500 milhões de euros, Pires de Lima antecipou que deverá ser "solicitada por um número considerável de empresas", mas disse não poder adivinhar por quantas exatamente, e acrescentou: "Se o Governo considerar que é necessário algum tipo de extensão [da linha] isso será avaliado".

«Se chegarmos [à conclusão] de que a procura esgota a linha de crédito de forma rápida, consideraremos a possibilidade de a estendermos», reforçou Pires de Lima.

No início de abril, o Governo tomou a decisão de operacionalizar uma linha de crédito de apoio à tesouraria e fundo de maneio das empresas portuguesas com prazo máximo de dois anos e carência de um ano.

A linha terá uma taxa Euribor a seis meses acrescida de um ‘spread' entre 2,25% e 3,75%, dependente do risco da empresa.

De acordo com o presidente executivo da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), José Fernando Figueiredo, as PME (Pequenas e Médias Empresas) Excelência terão uma utilização máxima de 1,5 milhões de euros e as restantes PME poderão ir até um milhão de euros.