O Governo português recebeu esta sexta-feira a garantia da Volkswagen de que até 7 de outubro o grupo vai ter um plano detalhado para a correção das emissões fraudulentas, onde não há referências ao impacto na produção da Autoeuropa.

O ministro da Economia, Pires de Lima, revelou esta sexta-feira ter recebido uma carta do novo presidente do grupo Volkswagen com a garantia de "um plano detalhado para a correção de todas estas ilegalidades até 07 de outubro e que assumirá obviamente os custos de toda esta fraude".

Em declarações aos jornalistas, o governante sublinhou a necessidade de "separar águas", entre a Volkswagen Autoeuropa e o grupo Volkswagen, realçando que, "mesmo que eventualmente no passado tenham sido produzidos veículos com motores com este ‘software' fraudulento [em Portugal], não é responsabilidade da gestão da Autoeuropa".

O grupo de trabalho criado pelo Governo para assegurar a monitorização das ações decorrentes da fraude da Volkswagen reuniu-se esta sexta-feira pela primeira vez, no Ministério da Economia, para analisar o problema e delinear um plano de ação. 

A Volkswagen provocou na semana passada a indignação mundial quando admitiu que  11 milhões de carros a diesel em todo o mundo estão equipados com os chamados dispositivos de descativação que ativam controlos de poluição durante os testes, mas automaticamente os desligam quando o carro está em condução.