O ministro da Economia declarou, em Madrid, que «Portugal é hoje uma das principais potências em termos turísticos» porque «sabe receber melhor do que os outros povos ao seu lado», com os quais o país concorre.

António Pires de Lima falava no final de uma visita de inauguração ao stand português na Feira Internacional de Turismo de Madrid (FITUR), um dos principais eventos dedicados ao setor na Europa.

«Portugal é querido como destino turístico porque as pessoas, cada uma delas em suas casas, faz bem o seu trabalho ao receber os turistas, nacionais e estrangeiros. Somos bons a receber, somos um povo hospitaleiro, um povo quente que sabe receber melhor do que os outros povos aqui ao nosso lado e que competem connosco», disse o ministro, citado pela Lusa.

Portugal registou em 2014 (até novembro) um crescimento de quase 12% no número de turistas recebidos, o que gerou receitas de 9,6 mil milhões de euros, ou seja, 29 milhões de euros por dia.

O Governo tem repetido que o crescimento do turismo português tem sido «o triplo» do turismo espanhol, que no ano passado registou receitas de 63 mil milhões de euros, tendo recebido 65 milhões de turistas estrangeiros.

O ministro Pires de Lima realçou a boa prestação dos dois mercados e apontou Espanha como um concorrente «geográfico» de Portugal.

«Portugal é hoje uma das principais potências em termos turísticos e isso deve-se à extraordinária qualidade de trabalho dos empresários, das empresas, dos gestores, do setor privado, que nunca deixou de acreditar, que soube ultrapassar os momentos mais difíceis e que hoje está a crescer e a criar riqueza e emprego», disse.

O ministro insistiu ainda que «saber receber melhor do que os outros» é uma «vantagem competitiva, que deve ser sempre realçada e sublinhada».

«Só um povo que sabe acolher, sabe receber e que tem gosto em ter na sua terra aqueles que nos querem visitar está em condições de continuar a crescer», salientou.

O espaço de Portugal na FITUR é o maior da área Europa, com 751 metros quadrados.

Tem em exposição painéis de arte urbana de artistas como Vhils e conta com um bar para degustações de vinhos e produtos portugueses.

Numa das paredes do ‘stand’ está a ser grafitada, ao vivo, a palavra «celebración» (celebração) e os muitos visitantes têm feito fila, ao longo da manhã, para usar uma máquina chamada «Selfiematon», que lhes permite uma selfie com Portugal em imagem de fundo, partilhando-a depois nas redes sociais.

Em lugar de destaque, logo à entrada, tem um retrato do rei e da rainha de Espanha, Filipe VI e Letizia, que está a ser feito, ao vivo, pelo artista norte-americano Scott Gundersen, que usa as várias tonalidades das rolhas de cortiça para criar uma imagem.

Gundersen está a ultimar um quadro para o qual teve de usar mais de 21 mil rolhas e que será oferecido ao casal real pelo embaixador português em Madrid.