O Governo considera positivo o facto de haver várias manifestações de interesse na compra da companhia aérea TAP, mas não vai avançar com a privatização «sob pressão», disse o Ministro da Economia, confirmando o interesse do empresário Miguel Pais do Amaral.

«Há manifestacões de interesse várias: boas», afirmou António Pires de Lima, em declarações aos jornalistas.

«Saúdo essa em particular, do grupo do Dr. Miguel Pais do Amaral, mas há mais manifestações de interesse, felizmente», acrescentou.

A privatização da TAP continua em cima da mesa, após ter sido incluída no memorando de entendimento do resgate externo de Portugal de 2011.

Contudo, o Ministro da Economia não se comprometeu com um calendário para o processo avançar.

«Ainda é cedo para o Governo se pronunciar sobre esta matéria. No tempo próprio, e quando o Governo o entender, o Conselho de Ministros dará nota daquilo que pretende fazer em termos de privatização ou não privatização da TAP», referiu.

Em Junho, o Secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, disse que Governo já recebeu o relatório da reavaliação da TAP, que é mais valiosa que há dois anos.

«Os cenários estão em aberto, não estão decididos. Em qualquer caso, acho que é preciso separar o momento operacional que a TAP viveu, e que ultrapassou do meu ponto de vista, e o processo de privatização», acrescentou.

«A TAP não pode, não deve ser privatizada sob pressão. É um decisão que deve ser feita com pés e cabeça», vincou Pires de Lima.

Acrescentou que, juntamente com Sérgio Monteiro, vai reunir com a administração da TAP na próxima terça-feira.

O encontro visa perceber «como foram vividos, do ponto de vista operacional, os últimos meses da TAP» e superados os desafios que o ministério da economia tinha anteriormente colocado à administração.