O ministro da Economia enalteceu esta quinta-feira o melhor resultado de sempre do turismo, setor que mais contribuiu para a balança comercial em 2013, sendo mais um motivo de «confiança e esperança» para a autonomia económica e financeira de Portugal.

Numa conferência de imprensa, em Lisboa, para fazer o balanço do ano turístico em 2013, depois dos dados que o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou esta quinta-feira, Pires de Lima afirmou que os resultados obtidos pelo setor se devem, em primeiro lugar, ao facto de Portugal ser «um excelente destino turístico».

«Somos bons» neste setor, reforçou o ministro.

Em segundo lugar, Pires de Lima atribui o bom desempenho ao facto de os operadores privados do setor serem «competentes» e «demonstrarem resiliência». Enaltecendo empresários, gestores e trabalhadores no geral, o ministro disse que estes «são mais competentes do que os concorrentes», dando o exemplo dos espanhóis, italianos, gregos, franceses, mercados onde o turismo cresceu menos em 2013.

«A terceira razão é porque se adotou, desde meados de 2011, (...) um modelo de promoção do destino Portugal que foi mais eficaz e eficiente na captação de turistas do que era tradição no passado», afirmou, acrescentando estar «muito confiante, dada a competência», que o setor vai «continuar a crescer, e mais, do que os concorrentes».

O INE divulgou esta quinta-feira que no conjunto do ano de 2013, os estabelecimentos hoteleiros acolheram 14,4 milhões de hóspedes (+4,2% que em 2012) e registaram 41,7 milhões de dormidas (+5,2%). O resultado positivo baseou-se nos mercados externos (+8,0%), já que «as dormidas de residentes tiveram uma ligeira redução (-0,9%)».

A evolução dos proveitos foi igualmente positiva em 2013 (+5,4% nos proveitos totais para 1.957,5 milhões de euros e +6,4% nos de aposento para 1.372,8 milhões de euros), inversamente ao observado no ano anterior (-2,6% e -1,3% em 2012).

«Em 2013, o turismo confirmou-se como o setor que mais contribuiu para o saldo positivo da nossa balança comercial. Esse saldo situou-se em 104,3% e foi positivo pela primeira vez em décadas», sublinhou ainda Pires de Lima.

Assim, o turismo é o «maior setor exportador português», com os dados revelados esta quinta-feira a confirmarem que «tem um contributo muito expressivo para este momento de recuperação económica em Portugal, que se vive, e que tem, obviamente, que consolidar-se em 2014», acrescentou o ministro.

Para Pires de Lima, os resultados do setor «são muito importantes, e históricos, até» porque «não só representam o melhor ano de sempre, mas porque acontecem num momento económico particularmente exigente e muito desafiante», sendo «mais um motivo de esperança e de confiança para a autonomia económica e financeira» de Portugal.

O governante lembrou que os números do setor se traduzem na manutenção e criação de novos postos de trabalho: «Dos 128 mil e 300 postos de trabalho líquidos criados na economia portuguesa pelas empresas, de março a dezembro de 2013, 25.703 foram geradas pelo turismo ou por atividades conexas ao turismo.»

Ou seja, «cerca de 20% do emprego líquido criado ao longo dos últimos nove meses foram criados por este setor», que em termos gerais representa 10% do Produto Interno Bruto (PIB) e 8% do emprego total da economia.

«O Governo quer reconhecer este mérito e dar nota que está apostado em fortalecer ainda mais o turismo como um setor económico de primeira linha», afirmou.