O ministro da Economia, António Pires de Lima, considerou esta quarta-feira que na Península Ibérica se mantém um «registo de mercado fechado» nas ligações europeias na área da energia, situação que impede que haja uma maior competitividade.

«Nós continuamos na Península Ibérica num registo de mercado fechado e é preciso ligar os sistemas de energia que existem em Portugal e Espanha aos países do centro da Europa, de forma a que aumente a competitividade», disse o governante a margem do IX encontro da Cotec Europa, que se realiza em Lisboa.

Os custos da energia são um dos aspetos importantes para que a reindustrialização dos países ibéricos tenha sucesso, acrescentou António Pires de Lima.

Para o ministro, «há que ter uma maior diversidade da oferta na área da energia, em termos gerais, na Península Ibérica».

O governante falou também da diferença dos custos da energia entre a Europa e os Estados Unidos da América, em particular no gás natural.

«Existe um custo substancial, que afeta objetivamente a indústria europeia, por isso é muito relevante colocar este tema na agenda europeia», realçou.

Pires de Lima lembrou ser esta a altura certa para o fazer, pois está em preparação um acordo de comércio comum, entre a União Europeia e os Estados Unidos.

O ministro enfatizou ainda a necessidade de as empresas e as universidades estarem cada vez mais ligadas e haver uma maior qualificação e formação das pessoas para que o processo de reindustrialização seja alcançado.