A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, definiu como uma «coincidência feliz» que a apresentação da proposta de reforma do IRC, uma bandeira do ex-ministro Álvaro Santos Pereira, ocorra precisamente agora, quando acaba de tomar posse o seu substituto e novo ministro da Economia, António Pires de Lima.

A proposta de anteprojeto da reforma do IRC foi entregue hoje ao Executivo pela Comissão encarregue da tarefa, numa conferência de imprensa onde foram também apresentadas as linhas gerais da proposta. A cerimónia da entrega estava marcada para o final de junho, quando Santos Pereira era ainda ministro da Economia, mas ocorreu apenas hoje, apesar de o documento ter ficado pronto a tempo.

Questionada pelos jornalistas se se tratava de uma «coincidência», a ministra das Finanças, considerou que «é uma coincidência feliz». Admitindo que «a proposta foi concluída dentro do prazo», a governante explicou o adiamento com «dificuldades de agenda para marcar a apresentação».

A reforma do IRC foi desencadeada pelo ex-ministro Álvaro Santos Pereira, que chegou a propor à Comissão Europeia um corte da taxa para os novos investimentos para apenas 10%. A proposta não colheu a concordância da Europa mas a reforma acabou por ser encomendada a uma comissão, liderada por António Lobo Xavier. Acaba por ser conhecida agora, três dias depois de ter sido anunciada a saída do ex-ministro.

Já o novo ministro, António Pires de Lima, que tomou posse apenas na quarta-feira, disse sentir-se «afortunado porque 48 horas depois de tomar posse estou a apresentar o anteprojecto de reforma do IRC».