O ministro das Finanças francês, Pierre Moscovici, afirmou esta sexta-feira, em Davos, que Portugal pode precisar de um plano de apoio cautelar quando terminar o programa de assistência, segundo a agência Bloomberg. Também o Comissário dos Assuntos Económicos, Olli Rehn, disse ao «The Wall Street Journal» que é «melhor prevenir do que remediar» e que a linha de precaução é justamente com a finalidade» desse objetivo.

Numa entrevista à Bloomberg Television em Davos, na Suíça, onde decorre o Fórum Económico Mundial, Moscovici afirmou que o eventual programa cautelar «está a ser debatido no seio do Eurogrupo» (fórum dos ministros das Finanças da zona euro).

«A zona euro ganhou estabilidade e agora temos de recuperar um sentido de crescimento», disse Moscovici na entrevista.

O ministro das Finanças francês também referiu que o apoio financeiro para a Grécia é suficiente por agora e advertiu o Parlamento Europeu contra a tentativa de reescrever o acordo dos ministros das Finanças de dezembro relativo à resolução bancária.

«O Parlamento Europeu pode melhorar o mecanismo, mas temos que nos aproximar do estipulado pelo Conselho», afirmou Moscovici, adiantando que o acordo foi «duro» de obter e que não pode ser todo modificado, refere ainda a Bloomberg.