«O nosso setor não é alheio ao poder aleatório da disrupção, uma vez que já giramos em torno dela. Antecipamos a disrupção e aprendemos a lidar com ela. As empresas com mais sucesso no setor do Turismo foram as que lidaram melhor com a disrupção e que se concentraram na reinvenção e inovação», afirmou.

O fator chave, acrescentou, «é reinventar a experiência do consumidor, porque no centro desta era de disrupção estão as tendências e as expectativas» do consumidor.

«Nunca devemos perder isso de vista. É o consumidor que está a mandar em todas estas mudanças e é ele que faz com que as marcas mudem rapidamente para que estas satisfaçam as suas necessidades», concluiu.