O Produto Interno Bruto (PIB) de Itália recuou 0,2% no segundo trimestre face ao trimestre precedente, mergulhando o país de novo em recessão técnica, anunciou hoje o Instituto Nacional de Estatística italiano (Istat).

As previsões dos analistas apontavam para uma estabilização do PIB, já que previam uma variação entre -0,1% e +0,1% do PIB e este decréscimo é uma má notícia para o Governo de Matteo Renzi, que apostava muito no regresso do crescimento para fazer o orçamento, combater o desemprego e tentar travar a gigantesca dívida do país.

No segundo trimestre, o PIB italiano também desceu 0,3% em relação ao período homólogo de 2013.

A economia fica em recessão técnica quando o PIB regista dois recuos trimestrais consecutivos.

O ministro da Economia italiano, Pier Carlo Padoan, reconheceu hoje, numa entrevista ao diário italiano Il Sole 24 Ore, hoje divulgada, que o país se encontra «numa fase de saída da recessão muito penosa porque a recessão é verdadeiramente profunda», mas reafirmou que o limite dos 3% do rácio défice público/PIB «não será ultrapassado em 2014 nem em 2015».

O Istat sublinha que os três principais setores de atividade, agricultura, indústria e serviços registaram diminuições da produção no segundo trimestre.

A Itália tinha saído da recessão no quarto trimestre de 2013 com um aumento de 0,1% do PIB, mas o PIB recuou 1,9% no conjunto do ano passado.