O Governo anunciou esta quinta-feira que espera para este ano menos recessão do que em março, agora de 1,8% do PIB este ano, mas a estimativa está ainda muito longe do que a prevista no Orçamento do Estado deste ano, de 1%.

Segundo a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, na oitava e nona avaliações o Governo e a troika reviram o cenário macroeconómico para este ano e o próximo de forma mais favorável face ao previsto na sétima revisão, feita em Março, onde se previa uma contração de 2,3%.

Inscrita no orçamento estava uma previsão de recessão para este ano de 1%, que por sua vez tinha vindo a ser substancialmente piorada ao longo do processo de ajustamento.

Para o próximo ano, o Governo espera um crescimento em mais 0,2 pontos percentuais do PIB, ou seja, a previsão passa de um crescimento de 0,6% para 0,8% do Produto Interno Bruto.

O Governo espera também que a taxa de desemprego cresça menos que o previsto aquando da sétima avaliação. A nova previsão é que esta se fixe nos 17,4% este ano, contra os 18,2% previstos em março. Ainda longe do Orçamento do Estado, onde a previsão era que o desemprego atingisse os 16,4%.

Em 2014, a taxa de desemprego deverá afinal atingir os 17,7%, mais 0,3 pontos percentuais que este ano, segundo o Governo. A previsão anterior era que esta atingisse um recorde de 18,5%.

Maria Luís Albuquerque adiantou ainda que o excedente externo deve crescer para 1,8% em 2014 e demonstrou confiança numa viragem do ciclo económico em Portugal. «Novas perspetivas macroeconómicas sugerem que podemos estar de facto num momento de viragem», afirmou a governante.