O Governo admite nas Grandes Opções do Plano (GOP) que enviou esta terça-feira aos parceiros sociais e às quais a Lusa teve acesso, que a queda da economia prevista para 2013 poderá ser inferior à prevista.

«No seu conjunto, os dados sugerem que o desempenho da economia poderá ser mais favorável do que o esperado», lê-se no documento.

As previsões do Governo e da troika (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu) apontam para que a queda da economia portuguesa atinja os 2,3% em 2013, depois de ter caído 1,6% em 2011 e 3,2% em 2012.

A sustentar a hipótese avançada pelo Governo nas GOP estão os dados positivos da economia portuguesa no segundo trimestre do ano, quando a economia cresceu 1,1% face ao trimestre anterior, naquele que foi o primeiro trimestre positivo depois de dez trimestres consecutivos em que a variação em cadeia da economia foi negativa.

Ainda assim, o Governo admite que estes resultados devem ser «analisados com prudência, atendendo a que a economia permanece vulnerável a riscos e incertezas, quer a nível interno, quer a nível internacional».

Nas GOP para 2014, o Governo assegura ainda que os principais desequilíbrios da economia nacional já estão corrigidos.

«Dois anos após o pedido de ajuda internacional, os principais desequilíbrios estão corrigidos e inicia-se uma nova fase caracterizada pelo relançamento do investimento e pela recuperação da atividade económica», lê-se no documento.

Tal como já tinha sido anunciado pelo Governo, quando aprovou o anteprojeto das GOP, o cenário macroeconómico que faz parte do documento tem por base as projeções que resultaram do sétimo exame da troika.

«Tendo em conta que este cenário se encontra em processo de atualização para efeito da apresentação do Orçamento do Estado para 2014 e em fase de discussão com as instituições internacionais relevantes no âmbito do Programa de Ajustamento Económico, esta secção será atualizada logo que possível», segundo o Governo.

O Executivo aprovou a 05 de setembro o anteprojeto das Grandes Opções do Plano (GOP) com as grandes linhas orientadoras para o próximo ano e enviou-o esta terça-feira ao Conselho Económico e Social (CES) para que este órgão emita o respetivo parecer.

Após o parecer do CES, o Governo aprovará a proposta final de GOP para 2014 e, juntamente com a proposta de Orçamento do Estado, vai enviá-las para a Assembleia da República até 15 de outubro.

O anteprojeto das GOP enviado ao CES apresenta um cenário macroeconómico desatualizado, tal como já tinha sido assumido pelo ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes.

O governante especificou que anteprojeto das GOP contém «o cenário macroeconómico oficial, existente neste momento», ou seja, o que resulta do sétimo exame regular de maio, e que o novo cenário macroeconómico só decorrerá do oitavo e novo exame regulares, que arrancam na próxima segunda-feira.