A dívida pública aumentou até junho, para os 132,4% do Produto Interno Bruto (PIB), acima dos 130,5% registados no primeiro trimestre e dos 130,3% verificados no final de 2016, segundo o Banco de Portugal.

De acordo com o boletim estatístico de agosto, publicado nesta terça-feira pelo Banco de Portugal, a dívida das administrações públicas na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, subiu para os 249.084 milhões de euros, acima dos 243.487 milhões registados até março.

Comparando com o stock da dívida pública registado em dezembro do ano passado, de 241.061 milhões de euros, verifica-se que, nos primeiros seis meses deste ano, esta aumentou 8.023 milhões de euros.

Já excluindo os depósitos da administração pública, a dívida na ótica de Maastricht situou-se nos 229.379 milhões de euros na primeira metade do ano, o que representa um acréscimo de 2.567 milhões de euros face a março e de 5.164 milhões de euros em relação ao final do ano passado.

No Programa de Estabilidade deste ano, apresentado em abril, a meta com que o Governo se comprometeu para a dívida pública apontava para que esta descesse para os 127,9% do PIB, depois de ter fechado o ano de 2016 nos 130,3%.

Quanto ao financiamento das administrações públicas, este foi de 3.380 milhões de euros no primeiro semestre do ano, valor que compara com os 2.694 milhões de euros registados no mesmo período de 2016.

De acordo com uma nota explicativa do Banco de Portugal, "o financiamento obtido pelas administrações públicas junto dos bancos e de outros financiadores residentes foi de 1,6 mil milhões de euros e de 3,4 mil milhões de euros, respetivamente".

Em contrapartida, "o financiamento obtido no exterior foi de -1,6 mil milhões de euros, refletindo essencialmente reembolsos antecipados de empréstimos ao Fundo Monetário Internacional no montante de 2,7 mil milhões de euros".

Finalmente, o financiamento através de títulos foi de nove mil milhões de euros, que mais do que compensou a redução de 5,6 mil milhões de euros nos empréstimos líquidos de depósitos".