O crescimento China abrandou para 6,7% entre janeiro e março. São os piores dados sobre o desempenho trimestral da economia dos últimos sete anos, anunciou esta sexta-feira o Gabinete Nacional de Estatísticas do país.

O valor representa um abrandamento de 0,1 pontos percentuais em relação aos três meses anteriores e de 0,2 pontos percentuais face ao exercício conjunto de 2015.

Ainda assim, março trouxe sinais positivos para a economia chinesa, numa altura em que Pequim lança várias políticas visando manter o crescimento económico. As exportações desta que é a maior potência comercial do planeta, aumentaram 18,7% nesse mês.

Seja como for, o Banco Mundial também prevê que a economia chinesa abrande o ritmo de crescimento este ano, para 6,7% e mais ainda em 2017 (6,5%). Isso deverá levar à desaceleração das economias dos países do Leste asiático para 6,3% este ano e 6,2% nos próximos dois anos.

O Governo chinês prevê "complicações" na reforma fiscal que vai começar a aplicar a partir de maio. Ainda assim, renovou a confiança de que o corte de 500.000 yuan nos impostos, qualquer coisa como 77.400 milhões de euros, vai fortalecer a economia.