A prospeção das petrolíferas para encontrar petróleo e gás natural ao longo do território algarvio não é bem vista pelos autarcas autarcas da região.

Os representantes da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) já reuniram com o secretário de Estado da energia. 

“Nós pedimos a cessação dos contratos, nomeadamente dos últimos que tinham sido feitos, e a questão ficou para avaliação em termos jurídicos com mais pormenor”, disse Jorge Botelho, presidente da AMAL.

 
Autarcas e ambientalistas estão contra aquilo que dizem ser um projeto que vai causar danos ambientais e destruir o setor turístico da região.
 

 Jorge Botelho afirma ter ficado “contente com a decisão deste governo de não lançar concursos públicos para novas concessões no Algarve” e acrescenta que “em relação aos contratos em vigor, a nossa ideia é que esses contratos não devem ir para a frente, sabemos que estão assinados, devem ser avaliados minuciosamente”.


O Governo cancelou o concurso público para a atribuição de mais sete licenças, mas os contratos que já foram feitos com empresas privadas preocupam os autarcas.