A Grécia recuperou esta quarta-feira cerca de 147 milhões de euros através de um programa de perdão de dívidas concebido para reforçar os depauperados cofres do Estado, anunciou o Ministério das Finanças.

Mais de 150.000 contribuintes, individuais e coletivos, participaram no programa de «regularização expresso» das dívidas, que durou uma semana, pagando dívidas que remontavam aos anos 70.

Em circunstâncias normais, o pagamento destas dívidas é «quase igual a zero», destacou o ministério num comunicado, nota a Lusa.

Cerca de 58.000 pessoas pagaram entre 50 e 100 euros para beneficiar deste plano que previa a isenção de multas e juros sobre as dívidas ao Estado e a possibilidade de pagar em prestações.

Nas próximas semanas serão dadas a conhecer outras fases de regularização do pagamento de dívidas.

Os montantes em jogo são consideráveis já que se foram acumulando, ao longo dos anos, mais de 76 mil milhões de euros de impostos e cotizações sociais por pagar, com um agravamento nos últimos seis anos em que o país atravessou uma recessão.

No entanto, o Governo grego estima que não conseguirá recuperar mais do que 9 mil milhões de euros.

Este valor daria um balão de oxigénio às finanças do país, esmagadas pela pressão dos credores internacionais, devido à sua incapacidade de aceder aos mercados de dívida de médio e longo prazo, em função das taxas proibitivas.

O desembolso de uma última ‘tranche’ de ajuda financeira, no valor de 72 mil milhões de euros, está suspenso há vários meses e depende da execução de uma lista de reformas, cujo conteúdo tem sido vivamente discutido entre Atenas e os seus credores.