O ministro das Infraestruturas afirmou esta segunda-feira que "a região Norte será objeto de forte investimento na próxima programação" dos fundos comunitários, adiantando que o Governo procurará encontrar verbas para financiar a expansão da rede do Metro do Porto.

Afirmando conhecer "a prioridade que a Área Metropolitana do Porto dá à questão da mobilidade", o ministro Pedro Marques disse que "deve ser garantida uma articulação coerente dos poucos recursos que ficaram disponíveis para uma prioridade da região Norte em matéria de mobilidade urbana", designadamente "do Metro do Porto", falando na sessão de abertura da 1.ª Conferência de Gaia "As Vias do Noroeste", uma iniciativa da Câmara de Gaia, em parceria com o Jornal de Notícias (JN).

"Do nosso ponto de vista, foi insuficiente a prioridade política na negociação relativamente a esses investimentos neste ciclo de programação e, portanto, redundou num conjunto muito limitado de recursos disponíveis para o recurso dessa mobilidade urbana a norte", afirmou Pedro Marques.


Para o governante, "é um constrangimento importante" que o Governo "de alguma forma" recebeu "como legado".

"Mas estaremos a trabalhar em cima desse constrangimento, para procurar desbloquear o melhor possível essa prioridade", frisou.


O ministro lembrou que "os apoios dos fundos europeus ao desenvolvimento regional não estão limitados ao Portugal 2020", sendo que, no âmbito do COMPETE 2020, "estão priorizados investimentos à ferrovia", designadamente à ligação para mercadorias Leixões-Aveiro-Espanha.

Haverá "investimentos mais focados na competitividade da Linha de Leixões e desencravaremos as decisões relativas ao corredor ferroviário Porto de Leixões-Porto de Aveiro-Espanha (Salamanca), no âmbito da rede transatlântica", sublinhou.


Também haverá "investimentos de algumas centenas de milhões de euros na modernização da Linha do Norte, em particular reforçando as condições de segurança e circulação", bem como nas linhas do Minho e do Douro, anunciou.

O ministro falou ainda de investimentos rodoviários, avançando que a obra do Túnel do Marão, "depois de uma fase complexa de avanços e recuos", deve ficar concluída até ao final do primeiro trimestre deste ano, fruto de um "investimento substancial".

Considerando que o "período recente" foi de "travagem", Pedro Marques sustentou que o Governo "está empenhado" em impulsionar os investimentos no novo ciclo de programação, garantindo que "a política pública estará disponível" para os apoiar.