O vice-primeiro ministro e a ministra das Finanças classificaram a 10ª avaliação da troika como «tranquila» e «positiva». Segundo Paulo Portas, a economia dá agora «sinais de adesão» a um ambiente mais flexível, moderno e competitivo. A avaliação que foi feita das reformas estruturais, sublinhou o governante, teve a preocupação de manter o acordo social.

Confira o documento da troika sobre a 10ª avaliação

«A décima avaliação com a troika foi positiva. Portugal já superou 10 avaliações num total de 12. Faltam apenas duas. A nossa intenção é terminar o programa na data prevista, estamos a pouco mais de seis meses de poder terminar o programa na data prevista», afirmou o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas.

Draghi diz que TC condicionou resgate financeiro a Portugal

«Os sinais da economia refletem, ainda não completamente, mas indicativamente, que as reformas feitas têm um objetivo de permitir uma maior modernização do nosso sistema económico. O facto de Portugal estar a 6 meses do fim da missão quer dizer que podemos legitimamente recuperar a soberania», reafirmou Paulo Portas.

«Regressaremos ao mercado quando entendermos que as condições são adequadas»

«Foi uma avaliação tranquila», sublinhou Maria Luís Albuquerque. Segundo a ministra das Finanças, verifica-se que os três pilares do programa estão em linha com o desenvolvimento dentro da data prevista. «Todas as metas têm sido cumpridas e os objetivos para o final do ano são alcançáveis», garantiu a governante.