O Governo garantiu esta quarta-feira que a entrada de mil novos inspetores das finanças na Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) «está para breve» e que não será uma medida adotada pelo próximo executivo.

Fisco ordena 2,3 milhões de penhoras este ano

«A entrada de mais mil novos inspetores tributários está para breve e vai ser este Governo a tomar essa medida. Não ficará para o próximo Governo», afirmou hoje o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, no parlamento, onde está a ser ouvido sobre o relatório de combate à fraude e evasão fiscal de 2013, escreve a Lusa.

De acordo com o governante, com a entrada destes mil inspetores tributários vai ser possível cumprir o objetivo de aumentar em 30% o número de elementos da AT com função inspetivas, uma vez que há trabalhadores que já pertencem à AT que não eram inspetores e que vão passar a ser.

Paulo Núncio destacou que o balanço do combate à fraude e evasão fiscal de 2013 é «francamente positivo», uma vez que foram concretizadas 85% das medidas previstas no plano estratégico e que o nível de eficiência fiscal foi de 12,8%, o «mais elevado de sempre».

O secretário de Estado disse ainda que estes resultados foram conseguidos com «menos recursos financeiros e com menos recursos humanos», já que as transferências do Estado para a administração fiscal reduziram-se em 20% entre 2010 e 2013 e que o número de trabalhadores da AT também diminuiu em cerca de mil funcionários neste triénio.

O Orçamento do Estado para 2014 previa já a contratação de 1.000 novos inspetores tributários pela AT, uma medida que deveria ter tido efeitos práticos a partir de 01 de janeiro de 2014.