O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, considerou esta sexta-feira «prestigiante» que o Banco Central Europeu tenha escolhido Portugal para realizar uma reunião, lembrando que no dia da reflexão das eleições europeias realiza-se em Lisboa a final da Liga dos Campeões Europeus.

«Vivemos na União Europeia, em que a iniciativa livre de todos os agentes e instituições não está sujeita a controlo prévio do Governo, qualquer entidade pode promover eventos em Portugal, como é o caso da Champions League, que vai ter lugar em Portugal no dia da reflexão, espero que a senhora deputada não esteja preocupada com o efeito que isso possa ter na reflexão dos portugueses», disse Passos Coelho.

O primeiro-ministro respondia à deputada e coordenadora do Bloco de Esquerda Catarina Martins, que durante o debate quinzenal com o Governo no parlamento, questionou Passos Coelho sobre o que está a ser feito pelo Governo para impedir a realização da conferência do BCE em Sintra, agendada para 25 de maio, dia das eleições europeias.

«Não estou preocupado com o efeito que pode ter sob os portugueses o facto de o BCE vir a realizar a sua reunião a Portugal, acho que até que é prestigiante para o país, mas percebo que haja partidos que considerem ofensivo que o BCE, ou qualquer outra instituição, escolham Portugal para fazer as suas reuniões», sustentou o primeiro-ministro.

Pedro Passos Coelho afirmou também que o Governo português «não se deve pronunciar ou ser consultado» sobre a conferência, tendo em conta que não é organizada pelo executivo.

«Não é uma reunião da troika, é a primeira reunião que o BCE vai realizar com todos os bancos nacionais da UE, reuniões desse tipo são realizadas por outros bancos centrais com a mesma realidade», acrescentou.