O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse esta quinta-feira, na abertura do debate e posterior votação do Orçamento do Estado para o próximo ano, que as propostas apresentadas «são a chave com que fecharemos a porta a esta fase de dependência extrema e a chave com que abriremos o período pós troika».

Passos Coelho realça que «este é o momento da verdade» e que «este é o momento de agarrarmos o passaporte para o futuro pós troika».

No entanto, o primeiro-ministro reconhece, outra vez, que este será um orçamento rigoroso. «Este vai ser um orçamento difícil, difícil porque tem riscos de execução».

Perante as propostas apresentadas, Passos diz que «não há um membro do Governo que não se sinta inspirado pela coragem que os portugueses têm demonstrado».

Crise não acaba com saída da Troika

O governante sublinhou ainda, durante o seu discurso de abertura, que «o momento da verdade terá sempre de ser acompanhado pelo momento da responsabilidade».

Passos Coelho reiterou que quer aliviar a carga fiscal das famílias, lembrou que este orçamento é feito de uma redução do lado da despesa e que «não temos tempo a perder».