Os parceiros sociais apelaram, esta quarta-feira, aos partidos políticos que cheguem rapidamente a um entendimento, colocando de lado interesses partidários e disponibilizaram o seu apoio e contributo para «um novo ciclo económico e social».

Em comunicado, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), a Confederação do Turismo Português (CTP) e a União Geral de Trabalhadores (UGT) apelam para que «este entendimento seja encontrado tão rapidamente quanto possível».

As quatro confederações empresariais - que apresentaram no mês passado um compromisso coeso para o crescimento económico em Portugal ¿ às quais se juntou a UGT apelam também aos partidos «que se encontram a negociar o compromisso de médio prazo que envidem todos os esforços, pondo de lado interesses partidários de conjuntura».

A CAP, CCP, CIP, CTP e UGT pedem também que, na sequência de um «entendimento entre os agentes políticos, sejam implementadas medidas, que permitam aos portugueses olhar com confiança o futuro, acreditando que o esforço desenvolvido garantirá um Portugal melhor e mais justo».

As confederações lembram que o país está viver um período difícil e que o crescimento económico e a melhoria de vida dos portugueses depende do entendimento de todos os agentes com responsabilidades políticas.

«Estamos convencidos de que o diálogo e a concertação social precisam deste compromisso nacional, sob pena de o país correr o sério risco de entrar numa fase de grande gravidade em termos económicos e sociais, de consequências imprevisíveis», referem em comunicado.

A CAP, CCP, CIP, CTP e UGT sublinham ainda que Portugal precisa de «estabilidade política e social e de uma economia mais forte e competitiva, com um sólido tecido empresarial, que permita o aumento da produção, a diminuição do desemprego, o crescimento da riqueza e confiança dos mercados externos».

Os parceiros sociais salientam ainda a necessidade de os partidos políticos terem de agir com «clareza e determinação» e em conformidade e com a urgência que se impõe.