O banco alemão Deutsche Bank enviou e-mails ao Metro do Porto e ao IGCP, em fevereiro deste ano, a ameaçar cancelar antecipadamente contratos swap de 2009 caso não houvesse um acordo com o Estado português para fechar essas operações.

Segundo os documentos fornecidos pelo IGCP aos deputados da comissão de inquérito, a que a Lusa teve acesso, na manhã de 08 de fevereiro o responsável do Deutsche Bank Peter Haagensen enviou um email ao Metro do Porto a dar conta da possibilidade de fechar operações feitas em 2009 logo a 15 de fevereiro. Na mesma manhã, é a vez de outro responsável do Deutsche Bank, Joaquim Correia, enviar um e-mail ao presidente do IGCP, Moreira Rato, a dar conta da mensagem enviada ao Metro do Porto e a dizer que o banco estava «disposto a trabalhar no sentido de uma resolução no decorrer da próxima semana para evitar o vencimento antecipado».

Estes e-mails, hoje enviados aos deputados pelo IGCP, confirmam as afirmações de hoje do seu presidente na comissão de inquérito. Moreira Rato disse que Deutsche Bank foi um dos bancos que ameaçou cancelar unilateralmente contratos swap, tal como o BNP Paribas.

Segundo os documentos enviados à comissão de inquérito, a que a Lusa teve acesso, no final de junho deste ano, foram canceladas as três operações que o Deutsche Bank tinha com o Metro do Porto, tendo a empresa pago ao banco 54,7 milhões de euros.

No total, o Estado português pagou 139,4 milhões de euros ao Deutsche Bank para cancelar 14 contratos swap que as empresas públicas tinham com esta instituição financeira, com 90% deste valor relativo a contratos com os metros de Lisboa e Porto, tendo recebido ainda 10 milhões de um contrato com a Parpública que tinha valor de mercado positivo.