O parlamento aprovou a comissão de inquérito ao caso Banif, mas a auditoria externa vai ficar no papel. PSD e CDS-PP votaram favoravelmente a iniciativa conjunta do PS, BE, PCP e PEV para criar uma comissão de inquérito, a única iniciativa viabilizada.

Os requerimentos apresentados pelo PSD e pelo CDS-PP que visavam também a constituição de uma comissão de inquérito ao caso Banif foram rejeitados com os votos contra do PS, BE, PCP, PEV

Na sessão plenária desta manhã, a esquerda uniu-se  nas críticas ao anterior Governo, acusando-o de ter ocultado os problemas do Banif durante três anos, com o PSD a assegurar que quer apurar as responsabilidades de todos os governos "sem exceção". 

A comissão de inquérito ao caso Banif não pode ser um "jogo de passa culpa", mas sim um trabalho sério que apure responsabilidades, disse João Almeida, do CDS. 

"Neste processo Banif há muitas dúvidas que significam milhares de milhões de euros dos contribuintes. Queremos investigar a atuação de todos: as administrações do Banif, os supervisores - em especial o Banco de Portugal, os governos - sem exceção, e as instituições europeias", disse, por seu turno, o deputado do PSD, António Leitão Amaro.

Também esta sexta-feira o semanário Expresso noticia que o Banco Central Europeu enviou um e-mail a Mário Centeno a 19 de dezembro, a traçar aquele que seria o destino do Banif. O supervisor deixou um aviso ao Governo: “A Comissão Europeia foi muito clara neste aspeto, por isso, recomendo que nem percam tempo a tentar fazer passar essas propostas”. 

A 20 de dezembro, o Banco de Portugal anunciou em comunicado que tinha sido decidida a venda da atividade do Banif e da maior parte dos seus ativos e passivos ao Banco Santander Totta por 150 milhões de euros. 

A alienação foi tomada "no contexto de uma medida de resolução" pelas "imposições das instituições europeias e inviabilização da venda voluntária do Banif", segundo informou o supervisor bancário. 

O Santander Totta tem agora uma quota de mercado de 14,5% em créditos e depósitos no mercado português, um aumento de 2,5% face aos 12% que detinha antes desta operação.