Relatório aprovado: a deputada Maria Luís Albuquerque pode também trabalhar na consultora britânica Arrow Global, depois de a subcomissão de ética sobre o eventual impedimento na acumulação de funções da ex-ministra das Finanças ter votado favoravelmente pela inexistência de quaisquer incompatibilidades

O caso arrastava-se há mais de um mês e terminou, nesta quarta-feira, com os votos favoráveis de PSD, CDS-PP e a abstenção do PS. BE e PCP votaram contra.

Um mês e 10 dias depois da confirmação da contratação da agora vice-presidente do PSD e ex-ministra das Finanças por aquele conglomerado de gestão de créditos, incluindo ligações ao Banif, Millennium BCP ou Montepio, o relatório, elaborado pelo deputado social-democrata Paulo Rios de Oliveira, e que acolheu sugestões de alteração de outros grupos parlamentares, atesta que as funções "não contendem com o seu mandato parlamentar, nem com o regime em que a mesma o exerce", mas recomenda a atualização da sua declaração de rendimentos junto do Tribunal Constitucional.

Foi, ainda, rejeitado o requerimento do PCP para que o mesmo relatório fosse enviado ao Ministério Público.

A votação esteve na iminência de ser novamente adiada. Isto porque até ao final do dia de ontem, os esclarecimentos pedidos pelos deputados ao Ministério das Finanças ainda não tinham chegado.

O deputado relator defendia o adiamento da votação do relatório para que a ausência de resposta do gabinete de Mário Centeno não servisse de desculpa a um voto contra da esquerda parlamentar.

Paulo Rios estava convencido de que a informação que deveria chegar do Ministério das Finanças seria inócua e não faria alterar na substância as conclusões constantes do relatório.

O deputado do PSD garantia que, caso a informação chegasse até à hora da reunião de hoje, o relatório ainda podia ser alterado. 

Os pareceres da subcomissão de ética costumam ser tomados num prazo curto, mas neste caso, e numa decisão inédita, o parecer foi adiado precisamente porque os deputados queriam mais informações.

Depois de terem a documentação requerida em sua posse, ouviram Maria Luís Albuquerque e redigiram depois o dito parecer.