O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, disse hoje que a renegociação das parcerias público-privadas (PPP) rodoviárias com a Brisa estão ainda em fase inicial, apontando como meta concluir mais quatro contratos em 2016.

Baixo Alentejo, Algarve, Litoral Transmontana e Pinhal Interior são as quatro PPP em que as negociações dos contratos estão em fase mais adiantada, faltando o acordo com os bancos, que o Governo espera poder obter para fechar os processos até ao final de 2016.

Em contrapartida, a negociação dos contratos com a concessionária Brisa estão numa fase mais inicial, disse o governante na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, onde foi ouvido durante quatro horas.

Questionado no final da audição de quatro horas sobre o estado das negociações com a Brisa, Pedro Marques limitou-se a repetir que "não tiveram um avanço muito significativo".

"Vem-me dizer para falar em poupanças efetivas, depois do seu Governo andar a propagandear 7.000 milhões de euros, que afinal eram 700 milhões de euros", lançou o governante em resposta ao deputado do CDS-PP Hélder Amaral, com quem manteve a discussão mais acesa, recordando a par e passo as decisões tomadas pelo Governo de Passos Coelho.

Do conjunto das renegociações das PPP rodoviárias, o Governo anterior concluiu nove negociações relativas aos contratos de concessão do Estado (ex-SCUTs, Norte e Grande Lisboa), encontrando-se ainda em processo de negociação sete contratos de subconcessão da Infraestruturas de Portugal (IP), dos quais quatro estão em fase adiantada de negociação.