A UGT e a CGTP consideraram hoje que para resolver o problema da natalidade em Portugal é necessário combater antes de mais os níveis de desemprego e promover o crescimento económico.

Os parceiros sociais estiveram hoje reunidos com o primeiro-ministro no âmbito do Conselho Europeu de quinta e sexta-feira, tendo Pedro Passos Coelho afirmado já que irá propor que a promoção da natalidade seja uma prioridade da Comissão Europeia nos próximos cinco anos.

«A tese é de que é necessário ter em consideração o problema demográfico e da natalidade, mas a resposta que [este Governo] dá é a continuação das políticas que tendem para a flexibilização da legislação laboral, para a redução dos salários, para a pressão sobre as funções sociais do Estado, com mais cortes nas despesas da saúde, educação e Segurança Social», disse o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos à saída do encontro, de onde se ausentou mais cedo.

«Neste momento a maior preocupação que devemos ter é o crescimento económico e a criação de emprego», sublinhou o sindicalista, lamentando que com o atual Executivo a austeridade continue em Portugal e «não haja forma de serem resolvidos os problemas» do país.

Em declarações aos jornalistas na terça-feira, durante a inauguração de um lar de idosos no concelho de Sintra, o chefe do executivo PSD/CDS-PP defendeu que a questão da natalidade «tem uma dimensão que não é estritamente nacional» e que são necessários «instrumentos à escala da União Europeia para atuar em matéria de natalidade».

Hoje, o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, disse aos jornalistas à entrada do encontro que a prioridade para Portugal deve ser «combater o desemprego que continua em níveis insustentáveis» e incentivar o investimento para promover o crescimento económico.