A TAP espera que os voos decorram «dentro da normalidade» durante o período da greve, entre sábado e segunda-feira, já que os sindicatos estão a apelar aos trabalhadores que cumpram a requisição civil decretada pelo Governo. Só no primeiro dia, e a partir de Lisboa, há 120 voos previstos.

«A expetativa da TAP é que tudo corra dentro da normalidade», afirmou fonte oficial da companhia aérea portuguesa à agência Lusa.

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil apelou esta sexta-feira aos funcionários da TAP para que se apresentem ao serviço durante a paralisação que começa no sábado, considerando que a requisição civil impede que os trabalhadores façam greve.

«Porque nas condições impostas pelo Governo não é possível fazer greve e porque não somos irresponsáveis, aconselhamos todos os associados a apresentarem-se ao trabalho, de acordo com as suas atribuições e categoria profissional, mas reafirma-se a manutenção do pré-aviso de greve», afirmou o SINTAC em comunicado.

O sindicato esclareceu que mantém o pré-aviso de greve «por uma questão de ética», considerando que o Governo teve um «comportamento ilegítimo» ao decretar a requisição civil antes de serem conhecidos os serviços mínimos para o período da greve.

Entretanto, também o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) informou que vai manter a greve, mas que vai cumprir a requisição civil imposta pelo Governo, «embora sob protesto».

«O que se exige é um processo claro e transparente. O Governo tem a responsabilidade de informar quem são os interessados e de acautelar, sem que isso seja moeda de troca, todas as garantias de proteção do interesse nacional e dos trabalhadores»


Segundo dados enviados pela empresa à Lusa, a TAP perdeu 18 mil reservas desde a convocação da greve, o que representa «um prejuízo direto na ordem dos seis milhões de euros». No início do processo, a companhia aérea contava com 130 mil reservas, hoje conta com 112 mil.

Apesar da plataforma de sindicatos ter desconvocado a greve que estava marcada para os dias para os dias 27, 28, 29 e 30 de dezembro, a transportadora não está a sentir impacto nas reservas de última hora. 
  
Muitos passageiros já tinham anulado os voos ou procurado outras alternativas.