A agência de rating Moodys considera que as notas dos países periféricos da zona euro não deverão melhorar nem subir para os níveis observados antes da crise nos próximos 12, 18 meses, segundo um relatório hoje divulgado.

A Moodys alega que a melhoria das notações de rating {avaliação] e o regresso dos países periféricos às notações observadas antes da crise no próximo ano, ano e meio, não é previsível devido aos elevados níveis dos défices, aos tímidos crescimentos económicos e aos lentos progressos de reformas institucionais.

A melhoria das condições do crédito reflete-se nos ratings de 13 dos 18 Estados-membros da zona euro, que agora apresentam perspetivas estáveis, adianta a Moodys.

Tendo em conta a continuação do alívio das pressões, a Moodys espera a continuação dos progressos nas reformas estruturais para suportar um melhor ambiente macroeconómico e para melhorias pontuais dos ratings entre os 18 dos Estados da zona euro.