O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, afirmou esta quinta-feira que o Orçamento do Estado para 2016 “é globalmente positivo”, tendo-se congratulado com a alteração do paradigma de “sacrificar” sempre os mesmos.

Falando aos órgãos de comunicação social no final da reunião do Secretariado Nacional da UGT, na sede da central sindical, em Lisboa, Carlos Silva considerou que o orçamento “dá sinais de futuro para os trabalhadores de menores rendimentos”, mas realçou que “não deixa de ser uma projeção”.

“Se [essa projeção] é real ou não, veremos ao longo e no final do ano”, sublinhou, lembrando ainda que o orçamento será analisado “como um todo” pela UGT.

O líder da UGT disse que a alteração de paradigma do orçamento "é, [para a central sindical], suficiente e que tudo o resto será analisado no dia-a-dia”.