A Comissão Europeia reviu a proposta de orçamento comunitário e propõe agora atribuir a Portugal, entre 2021 e 2027, um montante de 23.873 milhões de euros. Mesmo assim implica um corte de 7% nos fundos de coesão

De acordo com este valor, e tendo em conta os mais de 10 milhões de portugueses, cabe a cada cidadão o montante de 2.803 euros, o que faz de Portugal o quinto país da União Europeia que mais apoios recebe per capita [por pessoa].

De acordo com a tabela a que a TVI teve acesso, e a ser aprovada a proposta, Portugal fica na lista, dos cinco Estados, entre os 27 que mais fundos vai receber no período de atribuição em causa.

Preços correntes MFF TOTAL 2021-27 População

[média 

Intensidade de apoio (€) per capita

Preços correntes

EE 3.242.006.493 1.315.000 2465,40
SK 13.304.264.448 5.424.000 2452,85
LV 4.812.229.540 1.976.667 2434,52
HR 9.888.093.817 4.204.000 2352,07
PT 23.873.814.500 10.361.667 2304,05
LT 6.275.616.559 2.901.667 2162,76
EL 22.098.389.914 10.832.333 2040,04
HU 19.981.623.278 9.839.667 2030,72
PL 72.724.130.931 38.455.333 1891,13
CZ 19.850.966.694 10.544.333 1882,62
SI 3.454.762.344 2.063.333 1674,36
RO 31.333.364.655 19.813.000 1581,45
MT 663.950.217 432.333 1535,74
BG 10.268.005.507 7.176.667 1430,75
CY 990.778.730 851.000 1164,25
ES 38.641.625.063 46.438.333 832,11
IT 43.484.216.456 60.716.000 716,19
FI 1.830.081.009 5.479.667 333,98
FR 18.022.044.290 66.579.333 270,69
IE 1.219.530.488 4.646.667 262,45
SE 2.413.092.531 9.806.000 246,08
BE 2.754.198.309 11.237.667 245,09
DE 16.864.588.958 81.670.667 206,50
AT 1.442.289.881 8.638.000 166,97
LU 73.122.380 570.333 128,21
DK 646.380.970 5.684.667 113,71
NL 1.625.023.475 16.941.667 95,92
EU-27 371.778.191.437 444.600.000 836,21

Marcelo espera "prémio"

O Presidente da República já afirmou esperar que haja fundos europeus de apoio a economias que saíram de défices excessivos, como a portuguesa, e considerou que a proposta para a coesão é "muito melhor" que a anterior.

Estou esperançado em que haja um fator corretivo que tem a ver precisamente com o ser bom aluno, que é, ao lado dos fundos clássicos, haver fundos para as economias que saíram dos processos de défice excessivo, estão em convergência, e que merecem, portanto, apoio para as reformas estruturais", declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado falava à saída do Museu do Combatente, em Lisboa, no final de uma cerimónia militar de homenagem aos capacetes azuis das Nações Unida.

Esta nova proposta é muito melhor do que a proposta anterior. A proposta anterior previa eventuais cortes muito superiores àquele de que se fala agora, que é de 7%", começou por responder o Presidente da República, frisando: "Estamos a falar em matéria de coesão, não em matéria de política agrícola comum".

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "em qualquer caso, ainda é um começo de conversa".

Em seguida, o Presidente expressou a expectativa de que haja "fundos para as economias que saíram dos processos de défice excessivo", como a portuguesa, acrescentando: "Se isso avançar, e espero bem que sim, então, a preocupação que existe neste momento, que é inferior à que já existiu, pode desaparecer".

Portanto, isto é um caminho que se faz caminhando. Estamos melhor hoje do que estávamos naquele ponto de partida muito mau que foi o de há um mês. Vamos continuar a caminhar", concluiu.