A Casa Branca antecipou uma descida do défice norte-americano na próxima década e um crescimento moderado da economia, no dia da apresentação do orçamento para o ano fiscal de 2015.

O orçamento prevê que a economia norte-americana cresça 3,1% este ano e 3,4% no próximo, com a inflação a manter-se controlada, subindo para apenas 2% em 2015.

«Apoiando-se nos avanços já conseguidos, as medidas de redução do défice orçamental são mais do que suficientes para atingir o objetivo de estabilização do peso da dívida no PIB (Produto Interno Bruto)», indica o documento.

O orçamento projeta um avanço estável das receitas, estimando que o governo atinja um superavit primário (despesa, excluindo o serviço da dívida) em 2018.

O orçamento da Casa Branca poderá ser bloqueado pelo Congresso, já que contém aumentos de impostos e da despesa que os Republicanos já rejeitaram.

Mas contempla a perspetiva de que o défice orçamental do governo, que disparou com a crise de 2008, possa descer para níveis confortáveis rapidamente, caindo para 564 mil milhões de dólares (410 mil milhões de euros), ou 3% do PIB, no ano fiscal que tem início a 1 outubro e para 2,2% do PIB em 2020.

O orçamento para o ano que começa a 01 de outubro (ano fiscal de 2015) é de 3,9 biliões de dólares (2,8 biliões de euros), 6,8% acima do atual orçamento.