Mais de 2,1 milhões de empregos podem ser criados até meados de 2018 no quadro do plano de investimento da Comissão Europeia, revela um relatório da Organização Internacional do Trabalho divulgado esta quarta-feira.

Para atingir este objetivo, o relatório preconiza que o plano lançado pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que visa mobilizar 315 mil milhões de euros de investimentos em três anos, deve estimular prioritariamente o investimento no setor privado e nas pequenas e médias empresas e que os fundos devem beneficiar sobretudo países europeus confrontados com elevadas taxas de desemprego.

«Este plano Juncker pode ser complementar das medidas monetárias anunciadas pelo Banco Central Europeu e incentivar o investimento das empresas, o crescimento e a criação de emprego», afirmou o diretor do departamento de estudos da OIT, Raymond Torres.

Os autores do relatório sublinham a importância dos investimentos nas pequenas empresas, que podem criar até 1,8 milhões de empregos diretos e indiretos.

«Investir em projetos energéticos ou na economia verde faz parte da solução», tal como «permitir o acesso ao crédito às pequenas empresas», indicou Torres.

Com taxas de desemprego «que ultrapassam 23% em Espanha e 25% na Grécia no terceiro trimestre de 2014», os autores do relatório constatam que as políticas de austeridade têm sido um fracasso.

«As piores repercussões tiveram lugar nos países do sul da Europa, mas foram atingidos famílias e trabalhadores de toda a região», referiu a diretora-geral adjunta da OIT, Sandra Polaski.