Os acionistas aprovaram esta quinta-feira a venda da PT Portugal à Altice com mais de 97 por cento dos votos.

Mais de quatro horas depois do início da reunião magna, os acionistas aprovaram a venda da PT Portugal, detida pela brasileira Oi desde o aumento de capital em maio, aos franceses do Altice, depois de meses de peripécias em torno do negócio.

A venda da PT Portugal foi aprovada com 97,81% dos votos favoráveis do Novo Banco, Ongoing, Visabeira e Controlinveste, numa reunião que contou com 44% do capital presente ou representado, mas apenas 34% de capital votante, já que os brasileiros foram impedidos de votar por conflito de interesses.

Os votos contra atingiram apenas os 2,19%.

Na reunião magna estiveram presentes 398 acionistas, totalizando os votos presentes os 548.444.

Os acionistas da PT SGPS retomaram hoje a assembleia-geral para decidir a venda da PT Portugal à Altice, que tinha sido suspensa a 12 de janeiro para obterem mais informação, nomeadamente pareceres jurídicos sobre a fusão com a Oi.

Nestes 10 dias que separaram as duas assembleias-gerais, muita informação foi divulgada pela administração da PT SGPS, entre ela os pareceres jurídicos sobre a fusão com a Oi.

A venda da PT Portugal só deixou satisfeito o presidente da Oi. Bayard Gontijo diz-se «satisfeito com resultado da votação» e que «é o melhor para as duas empresas»

Já p presidente da Ongoing, Nuno Vasconcellos, diz que está «triste», uma vez que a «venda da PT Portugal é sempre uma decisão muito difícil»

Entretanto, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Grupo PT (STPT) afirmou hoje que vai analisar a possibilidade de avançar com uma impugnação do resultado da assembleia-geral de acionistas da PT SGPS que aprovou a venda da PT Portugal.

A Altice considera que a aprovação da venda da PT Portugal «é uma excelente notícia» para todos, segundo disse à Lusa o porta-voz da empresa.

«A aprovação da venda da PT Portugal ao grupo Altice é uma excelente notícia para a PT Portugal, para o investimento, a inovação, os acionistas, os trabalhadores e Portugal».


O ministro da Economia espera que a PT Portugal encontre nos novos investidores franceses da Altice um acionista estável e com capital para desenvolver a empresa de telecomunicações.

«Espero que a PT Portugal encontre nestes investidores franceses um acionista estável e com capital para desenvolver a empresa, aquilo que precisamente a empresa não teve nos últimos anos, e que corresponda a um virar de página.Quem investe assim em Portugal, seguramente tem uma preocupação grande em valorizar o seu investimento e em desenvolver a empresa que acabou de adquirir», disse Pires de Lima à Lusa.


«Eu demonstrei a minha atenção e preocupação com as consequências que toda esta indefinição acionista tinha ou poderia ter na PT Portugal, que é uma empresa muito relevante para a nossa economia e que emprega diretamente 10 mil pessoas», sublinhou Pires de Lima.

O ministro referiu que desejou que «esta assembleia-geral se realizasse» e considerou que o resultado foi «muito clarificador».

«Acho muito importante para Portugal que exista um investidor que aposta 7,4 mil milhões de euros numa empresa portuguesa seis ou sete meses depois de termos saído do programa de assistência financeira. Portugal precisa de investimento e é muito importante destacar e saudar o facto de um investidor francês investir numa empresa portuguesa, e em Portugal, neste momento, 7,4 mil milhões de euros».