O ministro das Finanças anunciou, perto da meia-noite, as projeções de défice e crescimento para 2018, ao fazer a apresentação do Orçamento do Estado.

Mário Centeno antecipou que o PIB vai crescer 2,2% e a projeção para o défice é de 1%. Já 2017 acabará, segundo o Governo, com um défice de 1,4% e um crescimento económico de 2,6%. Ambas as previsões foram melhoradas: até aqui, a previsão de crescimento era de 1,8% para este ano e de 1,5% no caso do défice.

A dívida pública, por sua vez, e segundo as previsões do Governo, alcançará 126,2% do PIB no final de 2017, "uma redução muito significativa que deve ser mantida" e, por isso, a previsão para o próximo ano é de 123,5% do PIB. A dívida pública "reduzir-se-á praticamente 3 pontos percentuais".

Em 2017, as exportações crescerão em média 8,2%. Centeno fala num "forte dinamismo do investimento e das exportações" para o crescimento da economia em 2018.

A procura no mercado externo deverá crescer 4,9%.

Quanto ao desemprego, a previsão é que baixe para 8,6% em 2018 (para 9,2% este ano) e o salário médio dos portugueses aumentará 2,2%.

Quanto aos encargos líquidos do Estado com as Parcerias Público-Privadas (PPP), a estimativa é que caiam 1,3% em 2018 face às estimativas para 2017, para 1.691 milhões de euros.

  • 1.171 milhões de euros são referentes a contratos rodoviários, que continuam a representar a maioria dos encargos
  • 8 milhões para ferrovia (referente ao Metro Sul do Tejo
  •  471 milhões na área da saúde
  • 41 milhões na segurança