Após a ‘luz verde’ de Bruxelas ao Orçamento do Estado, a primeira declaração de António Costa foi muito curta e sem direito a qualquer pergunta por parte dos jornalistas.

“Quando uma negociação se conclui, é uma vitória para todas as partes. Nós damos boa nota da posição da Comissão Europeia e isso só reforça a nossa determinação de, na execução deste orçamento, prevenirmos os riscos e reforçarmos a confiança. A confiança de que é possível virar a página da austeridade, cumprindo e participando ativamente na zona euro, que era o nosso objetivo", disse Costa em Berlim.

Eram 14:30 quando a Comissão Europeia deu luz verde à proposta de Orçamento do Estado entregue pelo Governo português. O esforço orçamental estrutural será entre 0,1% e 0,2% do PIB, na fronteira do mínimo exigido. Daí o risco de incumprimento não estar afastado. O Executivo de António Costa comprometeu-se com medidas de austeridade no valor de 845 milhões de euros.

No entanto, um alerta: "As novas medidas apresentadas esta manhã, pelo meio dia, reduzem o risco. Mas - e é preciso ser claro, os riscos não estão eliminados. Estaremos muito atentos a esses riscos".

Agora, o ministro Mário Centeno prepara-se para detalhar a proposta de Orçamento, numa conferência de imprensa que vai decorrer no salão Nobre do ministério das Finanças.