A dívida pública poderá chegar aos 135,1% do PIB em 2014 caso o Governo não utilize 7,1 mil milhões de euros da 'almofada' financeira que tem em depósitos, alertou a Unidade Técnica de Apoio ao Orçamento (UTAO).

«Está prevista a redução dos depósitos em 4,2 pontos percentuais (7,1 mil milhões de euros) durante o segundo semestre, permitindo uma diminuição da dívida pública ao longo deste período. Caso essa redução não se efetuasse, a dívida pública atingiria os 135,1% do PIB no final de 2014», alertam os técnicos da UTAO, num parecer preliminar sobre o segundo orçamento retificativo, a que a agência Lusa teve acesso.

A UTAO recorda que o retificativo prevê que os depósitos da administração central no final de 2014 diminuam 1,1 pontos percentuais face ao Documento de Estratégia Orçamental (DEO), atingindo os 7,4% do PIB (12,5 mil milhões).

No entanto, dizem os técnicos, o nível de depósitos da administração central no final do primeiro semestre situou-se em 11,6% do PIB (19,6 mil milhões).

Nesse sentido, se se mantivesse a constante de nível de depósitos até ao final do ano, a dívida pública atingiria os 135,1% do PIB no final deste ano.

Défice com medidas extraordinárias pode alcançar 10% do PIB

UTAO: crescimento económico pode ficar pelos 0,8% do PIB