A plataforma de sindicatos do grupo SATA e a administração da operadora aérea vão voltar a reunir-se a 18 de fevereiro, dois meses depois do último encontro, realizado a 17 de dezembro de 2013.

Fonte da SATA confirmou à agência Lusa o encontro, mas ressalvou que sobre a mesa das negociações está o Orçamento do Estado para 2014 e não a aplicação da chamada remuneração complementar, como espera a plataforma sindical.

¿Se realmente fosse intenção da SATA aplicar a remuneração complementar aos seus trabalhadores, apenas o teria comunicado. Não seria necessária uma reunião, da qual aguardamos o desenvolvimento da mesma¿, declarou, por seu turno, o porta-voz da plataforma de sindicatos, Bruno Fialho.

A remuneração complementar (também conhecida como subsídio de insularidade) existe há mais de dez anos para os funcionários da administração regional dos Açores que ganham até 1.304 euros, prevendo-se também a sua extensão ao setor empresarial regional e respetiva tabela nos termos de resolução do Governo da região.

O orçamento dos Açores para 2014 prevê o seu alargamento para os salários da administração regional até 3.050 euros, passando o universo de beneficiários dos atuais 7.590 funcionários para 13.861.

O sindicalista considera que os trabalhadores ¿não podem ser considerados uma empresa pública ou trabalhadores do Estado apenas para as situações nefastas¿.

¿Se a remuneração complementar abrange os trabalhadores do Estado, também temos de ser beneficiários da mesma¿, defendeu.

Segundo Bruno Fialho, os trabalhadores da SATA beneficiaram em 2012 e 2013 da remuneração complementar, ressalvando que, no entanto, no ano passado, foi diluída no acordo alcançado com a administração da empresa.

¿Depois do que observámos no ano passado, em que havia uma interpretação do secretário regional dos Transportes e Turismo, que nos obrigou a tomar medidas de força, estamos preparados para uma eventual nova interpretação que seja contra os interesses dos trabalhadores da SATA¿, declarou o sindicalista.

O porta-voz da plataforma de sindicatos do grupo SATA disse, em dezembro, no final do encontro com a administração da transportadora aérea, que se estava a gerar "uma ansiedade que ainda não está esclarecida¿ acerca do Orçamento do Estado para 2014 e suas consequências para os trabalhadores da empresa.

Ambas as partes estão a tentar, de acordo com os sindicalistas, encontrar "uma solução de equilíbrio, muito nos moldes do que foi negociado para 2013¿, face ao novo Orçamento do Estado.

A plataforma sindical, que reúne cinco sindicatos do setor da aviação, e a administração da SATA chegaram a um acordo em maio do ano passado após duas greves dos trabalhadores da empresa, que pediam a aplicação na transportadora açoriana do mesmo acordo conseguido na TAP que evitou os cortes salariais entre 3,5% e 10% previstos no orçamento do Estado.