Apesar de considerar que há um desagravamento da carga fiscal para as famílias com filhos, que têm sido penalizadas nos últimos anos, o especialista Manuel Caldeira Cabral sublinha que o Orçamento do Estado para o ano que vem vai trazer aumento de impostos.

«O que está previsto no Orçamento do Estado para 2015 é um aumento da carga fiscal, aumento dos impostos acima do crescimento da economia», como, sublinha o responsável, vai acontecer no IRS.

Para Caldeira Cabral, não há um desagravamento: Para além da perspetiva de que esse aumento de receita seja, em parte, devido a uma maior eficiência da máquina fiscal, há, segundo um especialista, um aumento de impostos indiretos, não por via do IVA, mas de «toda uma gama de impostos», nomeadamente no âmbito da Fiscalidade Verde.

No que toca à introdução do quociente de 0,3 pontos por cada filho e da inclusão dos ascendentes a cargo, Tiago Caiado Guerreiro considera a medida positiva, assim como analisa positivamente a possibilidade de um casal escolher tributação conjunta ou separada. Já no caso das deduções, que excluindo a saúde têm um teto para despesas gerais, o especialista considera que é bom para controlar a fraude fiscal, mas sublinha: «São 10 milhões de pessoas a fiscalizarem-se umas à outras, pode não ser bom».

Também Caldeira Cabral analisa positivamente as alterações para as famílias com filhos, porque «faz a reposição de algum poder de compra que tinha sido retirado quando tinham sido diminuídas as deduções fiscais», admitindo que estas famílias têm sido mais penalizadas nos últimos anos.

Os dois especialistas também responderam a perguntas dos telespetadores, enviadas através de perguntas@tvi24.pt. Para conferir aqui.