Portugal foi o país em que a carga fiscal sobre os salários mais subiu entre 2014 e 2015, entre os 34 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, segundo dados da OCDE divulgados esta terça-feira.

Há dois fatores a contribuir para o agravamento da tributação do trabalho, sendo que variam consoante o país. Esse agravamento pode resultar dos descontos para a Segurança Social ou advém do IRS. É unicamente a pressão deste imposto (já que na Seg. Social não houve variações) que explica estas estatísticas relativas a Portugal.

Os impostos sobre o rendimento e as contribuições sociais representaram, em 2015, 42,1% dos custos do trabalho (no caso de um trabalhador solteiro). Embora o IRS não tenha sofrido alterações no ano passado, a não ser nas deduções, a pressão cresceu em comparação com o ano anterior, em que o peso tinha sido de 41,2%.

Ou seja, na prática, isto quer dizer que a diferença entre salário bruto e salário líquido agravou-se. E aconteceu tanto para trabalhadores solteiros, como para as famílias. No primeiro caso, o agravamento foi o maior entre os 34 países da OCDE, de 0,86 pontos percentuais.

A par de Portugal, só mais quatro países tiveram aumentos superiores a 0,4 pontos percentuais neste exemplo: Austrália, Luxemburgo, Israel, Itália.

No caso de um casal com dois filhos, Portugal foi o segundo país onde a carga fiscal mais aumentou, a seguir à Itália, com uma subida de 0,88 pontos percentuais, para 30,7%, decorrente apenas do IRS. Outra conclusão que podemos retirar, então, é que o aumento foi maior para as famílias, embora a taxa em si seja consideravelmente inferior em relação aos trabalhadores solteiros.