A Associação Nacional dos Industriais da Construção Civil e das Obras Públicas afirma que 2015 foi o pior ano para a construção civil, desde que a troika chegou a Portugal.

Ao todo, no ano passado, as promoções de concursos de obras públicas caíram 22% e o volume de contratos celebrados registou uma quebra de 35% em relação a 2014, escreve o jornal i.

Segundo a associação empresarial, os concursos de obras públicas somaram um total de 1.237 milhões de euros, metade do valor registado em 2011, ano em que Portugal recorreu à ajuda externa.

Em cinco anos o setor perdeu 260 mil empregos e 39 mil empresas.