O BCP quer exigir uma indemnização por danos a Jardim Gonçalves e aos outros ex-administradores condenados no Tribunal de Primeira Instância pelo crime de manipulação de mercado de capitais.

Mas Nuno Amado ainda vai ter de esperar pelas decisões sobre os recursos que Jardim Goncalves, António Rodrigues e Filipe Pinhal vão apresentar no Tribunal da Relação, mas a intenção é clara.

Se as condenações do Tribunal de Primeira Instância pelo crime de manipulação de mercado de capitais forem confirmadas, o presidente do BCP vai exigir uma indemnização por danos ao fundador do banco e aos outros dois ex-adminstradores. A notícia é avança pelo semanário «Expresso».

Recorde-se que o banco é assistente neste processo, sobre as 17 sociedades do BCP com sede em paraísos fiscais na Ilha Caimão, usadas para manipular as ações do Millenium.

Da leitura da sentença na semana passada Christopher de Beck foi o único absolvido.

Neste caso, o BCP só pode avançar com um pedido de indemnização se houver recurso do ministério publico e o tribunal da relação condenar o ex-administrador.

Os advogados de Jardim Goncalves, António Rodrigues e Filipe Pinhal contestam a condenação a dois anos de prisão com pena suspensa e a alternativa de pagar uma multa conjunta de um milhão e 200 mil euros.