Manuel Pinho, ex-administrador do Banco Espírito Santo (BES) perdeu uma ação em tribunal contra o Novo Banco e contra o fundo de pesões do BES. O antigo ministro da Economia de José Sócrates exigia um acordo de pensão de reforma de 7,5 milhões de euros e ainda uma pensão vitalícia de 21.500 euros por mês.

Para isto, Manuel Pinho alegou um acordo que tinha com Ricardo Salgado, antigo líder do banco.

A reforma antecipada estaria a ser negociada nos últimos meses que antecederam o colapso do império familiar e o compromisso com Salgado seria a passagem de Manuel Pinho à reforma aos 55 anos, com direito a 100% do salário pensionável.

No processo da comarca de Lisboa da Instância Central, a que a TVI teve acesso, o autor da ação, Manuel Pinho, alega ser “portador” de uma missiva subscrita por Salgado, mas a Justiça diz não, dá o facto como não provado.