Os trabalhadores do Novo Banco consideram Stock da Cunha «bom demais» e têm reservas em relação do futuro da entidade bancária depois desta nomeação.

Depois da demissão de Vítor Bento surge a nomeação de Eduardo Stock da Cunha. Os funcionários do Novo Banco elogiam o currículo do economista e até dizem ser «bom demais» para liderar o banco durante seis meses.

«O Governo quer vender o Novo Banco para ganhar votos», disse João Matos, coordenador da Comissão de Trabalhadores do Novo Banco. Para os funcionários, a demissão de Vítor Bento não foi nenhuma surpresa porque já havia suspeitas de descontentamento.

A mesma fonte refere que muitos dos clientes que levantaram os depósitos do BES, estão a regressar ao Novo Banco. «Demonstra confiança relativamente ao futuro», disse João Matos sem descurar que esse sentimento não é reciproco nos funcionários que nada sabem daquilo que lhes reservam os próximos tempos.

O secretário-geral da DECO (Defesa do Consumidor) disse, este domingo, que o Banco de Portugal devia dar explicações aos consumidores sobre a estratégia a adotar para o Novo Banco.

A Comissão de Trabalhadores vai reunir com todos os partidos com assento parlamentar. Para João Matos, vender o Novo Banco em parcelas ou na totalidade, não é uma opção viável. A solução seria mesmo a nacionalização.