O ministro da Economia disse esta quarta-feira estar “à procura de investidores” que queiram participar nos fundos de capital de risco do programa StartUp Portugal para financiar novas empresas portuguesas, num valor que poderá "atingir 460 milhões de euros".

“O total poderá ultrapassar os 400 milhões de fundos que ficarão disponíveis para as empresas portuguesas que querem crescer, que querem investir e que estão a apostar na tecnologia”, afirmou esta quarta-feira Manuel Caldeira Cabral à margem da apresentação da Associação Porto Tech Hub.

O ministro quer ver reforçada a ideia de que “devem ser os investidores a escolher os projetos e a demonstrar o interesse por arriscarem o seu dinheiro”, competindo ao Estado ter “fundos públicos” para “alavancar esses projetos de investimento” e cobertura relativamente “a parte de risco”.

“O que estamos à procura é de investidores que tragam não só capital, mas também conhecimento, investidores que tragam experiência internacional e possam abrir às ‘startups’ portuguesas (...) novas oportunidades, quer em Portugal, quer no estrangeiro”, assinalou.

De acordo com Caldeira Cabral, “o montante que está para subscrever poderá atingir os 460 milhões, mas vai depender da forma como se vai conjugar o montante público (…) com o privado”.

Os fundos de capital de risco e Business Angels “já estão disponíveis hoje para serem subscritos por investidores que queiram subscrevê-los”, disse, explicando que o Estado pode entrar com 50% a 65% do montante.

O ministro adiantou já ter havido “manifestações de interesse” por parte de investidores, numa altura em que o concurso está aberto e em que estão a ser pedidos os cadernos de encargos.

Realçou ainda que estes “são fundos que terão muita importância na criação de emprego qualificado em Portugal e a dar maiores probabilidades de sucesso aos projetos que tantos jovens estão a desenvolver”.