O presidente executivo da NOS garantiu esta quarta-feira que a operadora de telecomunicações tem gosto em pagar salários aos seus trabalhadores e "quanto mais altos melhores".

Miguel Almeida falava no debate "O Estado da Nação das Comunicações", no âmbito do 25.º Congresso das Comunicações, organizado pela APDC - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações, que decorre até quinta-feira em Lisboa.

Questionado sobre qual o modelo de negócio da operadora nos próximos cinco anos, o empresário disse que há um conjunto de princípios de longo prazo, que passa por ter uma estratégia que responda às ambições dos principais 'stake holders', isto é, partes interessadas da empresa, desde clientes, passando pelos trabalhadores e fornecedores, entre outros.

Os colaboradores são um "ativo principal que temos", afirmou, citado pela Lusa, acrescentando:

"Não nos custa pagar salários, acreditamos e pretendemos assegurar colaboradores felizes, que se sintam compensados, devemos compensar o valor partilhado, temos gosto em pagar salários e quanto mais altos melhores"


Miguel Almeida salientou que os parceiros "não são uma fonte de custo, mas de diferenciação para a empresa" e lembrou que nos últimos nove meses a operadora ganhou 2,5 pontos percentuais de quota de mercado.

A operadora resultou da fusão da NOS com a Optimus.