A Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP) questionou hoje o Secretário de Estado da Administração Pública sobre as medidas que serão aplicadas aos funcionários públicos em 2015, mas as propostas para negociar ficaram prometidas para o início do verão.

Os cortes de salários e de pensões, a tabela remuneratória única, a contratação coletiva (ACEEP), os concursos e o descongelamento de progressões e promoções de carreiras foram algumas das matérias que a estrutura sindical da UGT abordou no encontro com Leite Martins, que durou cerca de duas horas e meia.

«A FESAP manifestou todas as suas preocupações relativamente aos cortes antigos e aos futuros cortes. Mas esta reunião não foi um exercício fácil pois não temos propostas nas mãos», disse o secretário-geral da FESAP, Nobre dos Santos, aos jornalistas no final do encontro.

A federação sindical pediu esta reunião depois de terem sido anunciadas as novas medidas que vão afetar os trabalhadores da administração pública, que estão previstas no Documento de Estratégia Orçamental para os próximos quatro anos.

Segundo Nobre dos Santos, o Secretário de Estado manifestou abertura para iniciar um processo negocial com os sindicatos do setor no início do verão.

A negociação das várias medidas terá como base o princípio de que estas serão aplicadas de forma gradual, referiu o sindicalista.

O Documento de Estratégia Orçamental (DEO), divulgado há uma semana, prevê o aumento dos descontos para a Caixa Geral de Aposentações e Segurança Social de 11% para 11,2%, a substituição da Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) pela Contribuição de Sustentabilidade, a aplicação da tabela remuneratória única e a redução e revisão dos suplementos remuneratórios.